quarta-feira, 28 de setembro de 2016

sábado, 27 de agosto de 2016

quarta-feira, 20 de julho de 2016

terça-feira, 12 de julho de 2016

quinta-feira, 23 de junho de 2016

quinta-feira, 2 de junho de 2016

quarta-feira, 1 de junho de 2016

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

transfiguração

agarraste-te a isso como se fosse a última esperança
é hora de regressar à escuridão dos dias que passaram
voltar ao poema, às palavras, às linhas de silêncio
de vazio

sei que fui errando aos poucos por aí, reparaste
não caminhei, entendeste mal, enganei-me, procedi mal
e confesso que pequei
sou vazio

antes de voltarmos, sentemo-nos aqui um pouco
montemos uma tenda esperemos por moisés e elias
mas - e este mas é tudo o que somos: parar olhar escutar
o vazio

terça-feira, 28 de outubro de 2014

quando chegar o fim

e quando chegar o fim rezo
porque assim permaneço de pé
no meio das searas
já ouviste o pão rasgar
e o cheiro das estevas quando os dias
não acabam
sabes que fico em silêncio
mesmo que o vento se cale
e o fumo regresse
ao princípio de tudo

quando chegar o fim rezo
nessa voz estremecida com que te conheci
escorre o suor e não percebo
sento-me na barriga quente
o dia acabou
encosto-me na pedra
adormeço

as searas tremem em mim

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

nem que fossem os filhos

«...
Conheço outros retratos teus onde também estás viva
um deles bem me lembro estava à minha espera em saint-malo
uma tarde ao voltar do monte saint michel
nesse verão bretão onde então procurava
justificação por mínima que fosse para a vida
numa das muitas fugas de mim próprio
que às vezes empreendo embora antecipadamente certo
de que só pela morte enfim me encontrarei comigo
com todos quantos verdadeiramente amei
alguns desconhecidos e alguns mesmo inimigos
sobretudo sedentos de justiça
de que depois somente de bem morto hei-de dispor daquela paz
que sempre apeteci mas nunca procurei
até por não ter tempo para isso nem sequer para saber
coisas simples como saber quem sou porque ao certo só sei
que muito mais passei naquilo em que fiquei
nem que fossem os filhos ou os versos
que fiquei muito mais naquilo onde passei
como passos na areia no inverno ou repentinas sensações
de me sentir de súbito sensivelmente bem
encher o peito de ar sentir-me vivo
...»

ruy belo - elogio de maria teresa

quarta-feira, 2 de julho de 2014

como desaparecer completamente

enterrei tantas memórias. escondi-as de propósito. e agora não as encontro. elas estão lá mas eu não estou aqui. era uma estrada que parecia infinita. era verão.

quinta-feira, 6 de março de 2014

era muito infantil

era muito infantil se te lembrasse dos
toques de chamada para as aulas
esse tempo último dos beijos

era muito infantil se te lembrasse dos
primeiros dias da primavera
quando os gestos ainda eram invernos

era muito infantil se te lembrasse das
horas que te esperei sempre no mesmo sítio
mesmo depois de me não quereres

era muito infantil e eu sei que acabou
sei pesadamente que esses dias não hão-de nascer
que a noite é uma estrada certa
fria, longa
onde não podemos falar

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

e se eu tiver de te seguir

and if I have to follow you, you will not rip this heart of mine in two
you cannot break this chain
but you can build a wall to shut me out if you so choose